Augusto Cacá

A poesia representa o homem para que ele se reconheça, se estranhe e se transforme. Fadas Guerreiras

Textos

Cora Coralina e o Rio Vermelho
Fazia doces com as mãos e com a boca.
Doces de frutas e de metáforas
para suavizar a amargura que brotava da memória.
Cozia caldas em tachos de cobre
e o calor era tanto que espantava todos os medos.

Ao lado corria o Rio Vermelho,
sem tomar conhecimento de sua existência.
Há mais de um século, o rio lambe os alicerces da casa da doceira
e só encontra o sal das pedras.

O doce e o sal quase se tocam na casa da ponte.
Depois seguem caminhos diversos.
Um para o deleite de quem fica saciado.
O outro vai com o rio,
Ora calmo, ora se debatendo em paredes, rochedos e barrancos.
Serpenteia, encharca a terra e suga mais sal.
Insaciável segue buscando o mar.

Agora, na casa da ponte,
o doce de Cora virou memória
e os versos são servidos, aos bocados,
a quem vai, como criança, procurar novos sabores.
O rio passa como se não tivesse passado o tempo.
Carlos Augusto Cacá
Enviado por Carlos Augusto Cacá em 05/07/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Carlos Augusto Cacá) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras